quinta-feira, 25 de junho de 2009

Touring: Setúbal - Olhão (dia 4)

Dia 4 (3 de Junho) (nenhuma foto deste post é minha, pois não sei porquê não tirei fotos neste dia, mas fartei-me de filmar...lá está)



Quando o Gugas acordou já tinha um Nestum quentinho preparado para o seu pequeno-almoço. Devorou-o com os olhos fixos no local de acampamento dos seus amiguinhos da noite anterior. Quando acabou pediu-me para ir ter com eles. Aproveitei para lavar a loiça e arrumar tudo.

O Gugas perdeu uma cena dos pardalitos mais atrevidos que conheci...até vieram quase à mão comer o resto do bolo da avó alice.

Fui ter com ele e já se procedia a uma jogatana da bola de todo o tamanho. A retirada do Gugas foi a custo, mas lá foi.

Uma descida até à ribeira de Odeceixe, travessia da ponte e um cartaz a dizer "Bem-vindo ao Algarve" esperava-nos do outro lado, estávamos na Costa Vicentina. A N120 neste ponto sobe tal qual a serra do Luso, curvas apertadas e muito inclinadas. Como já sabia o que me esperava entrei para a Vila de Odeceixe e fui ao longo da ribeira até à praia.



O mau-feitio matinal do Gugas revelou-se uma vez mais pelo que decidi parar na praia das Adegas para ver se acalmava. Não quis ir, pois não queria descer aquilo tudo.
Ok!!
Queria enviar o postal de Porto Covo que tínhamos escrito para as meninas que ficaram em casa.

Ok!!!!

Siga para o Rogil, que há lá uma padaria porreira. As explicações de como funcionam os correios preencheram as conversas até Maria Vinagre.


O Gustavo desmanchou-se a rir com o nome desta localidade e foi o resto do caminho a inventar nomes de terras: Rodrigo Azeite, Rafa Água, Ana Azeitona, Maria Zebra, António Gafanhoto...descambou.

No Rogil notámos na mudança da padaria simpática para a padaria Gourmet, uma autêntica extravaganza para aquela localidade. A qualidade parece manter-se mas Os preços insistem em lembrar-nos que estamos no "ALLgarve". Parámos na esplanada vidrada a comer algo e a conversar sobre o postal, enquanto muito "cámone" de auto-caravana e prancha de surf passáva. Fomos até a uma pequena mercearia "vende-tudo" para comprar uns selos. Um deles era auto-colante, mas o segundo foi colado com a bela da lambidela...com o Gustavo a estranhar todo o processo. Como o correio já tinha sido levantado decidimos colocá-lo em Aljezur.

Fizémos outra surfada de bicla na descida até esta sede de Concelho, onde parámos no Turismo para perguntar onde eram os Correios. Depois de colocar o postal no correio nacional decidimos alomoçarmos ali mesmo num jardim com muita sombra logo após a ponte. Fizémos uma salada com tomate, milho, cogumelos, maçã e uma salada de frutas pois o calor apertava. Comemos um gelado e até estranhava a camisola do Gustavo ainda estar limpa! (Tinha lavado todas as t-shirts dele no último parque!).



Ainda tentei esticar-me no banco para dormir uma sesta, coisa que adoro fazer, mas quem tira as pilhas a um míudo de 4 anos?? Depois de explorar todo o jardim e brincarmos ao "Ben 10", à apanhada, às escondidas, às pitons e aos polvos seguimos caminho. Aqui é que ele me prega a rasteira e PIMBA, adormece na cadeirinha reclinada dormindo a sua bela sesta de meia-hora. Neste trecho do percurso o vento fez-se notar com maior força. Vinha da costa e se aqui era forte, na praia deveria ser pujante. O Gugas acordou numa descida para a Bordeira, mesmo a tempo de surfar de braços abertos e como, abrigados do vento estava uma calorão parámos no centro da Carrapateira (a terra do Gormiti que lhe tinha saído no cabo sardão que se chamava algo parecido com carrapatix, e que entretanto já se tinha perdido).

Tinha umas referências do Canhão para dar um toque a alguém que estivesse no restaurante Mazagão ou aos alemães que alugam umas casas à entrada da Carrapateira, pois aqui não conheço nenhum parque de campismo, mas como o vento estalava forte, decidi ir até um parque na costa sul, mais protegida e ficar a bezerrar no dia seguinte.

Aproveitámos para nos refrescarmos com uma coca-cola. Quando o Gugas levanta os braços vejo uma mega-nódoa de chocolate mesmo no sovaquinho! AH! Assim é mais normal. Afinal o gelado em Aljezur tinha derretido na mesa e ele tinha-se deitado em cima!! O dono do café meteu conversa connosco por causa da Xtracycle e visitámos uma loja de artesanato. O Gugas fartou-se de brincar com animais feitos de pano. Ainda démos um salto à praia, mas estava desagradável e fomos fazer a subida à Vila do Bispo.



O Gugas cravou-me uma história e não é que inventei uma alta história durante a subida toda? Reunia o Carteiro Paulo com biclas e tal, o Gugas estava de tal modo preso à história que me pedia para fazer "pause" quando um carro passava para não perder pitada. Foi engraçado.

Parámos no parque eólico no fim da subida (a maior do percurso) e por fim estávamos a descer até Vila do Bispo sempre acompanhados de alto vento lateral.

Na dúvida entre os parques de Sagres, da Ingrina ou da Salema fomos em direcção deste último. Não sei se foi boa ideia pois do parque à Praia o acesso é bastante inclinado, mas já estava, já estava.

Montámos campo rápido e fomos para a praia da Salema. Foi uma autêntica aventura National Geographic style: corremos atrás das gaivotas, criámos uma cidade de pedras e areia, vimos Caranguejos-ermita e até estrelas do mar. Voltámos quase de noite ao parque onde tomámos banho com uma ficha para termos àgua quente!

Andava a prometer uma surpresa ao Gugas por termos chegado ao Algarve e ele já estava impaciente....fomos jantar PIZZA E COCA-COLA no restaurante do parque!! Ele ficou radiante, mas com a sala de jogos que havia ao lado do restaurante.

A menina do restaurante engraçou também com ele, mas como não falava bem Português (era Holandesa) o Gugas não deu troco. Aliás, o Gugas andava lixadíssimo pois não percebia nada o que a malta dizia! Tinhamos um casal Inglês numa tenda em frente e não perceber nada frustrava-o de tal maneira que se recusava a dizer algo. Coitado.Depois da pança cheia e de termos jogado a tudo o que havia para jogar (até bilhar com um senhor que lá estava), fomos "desmoer" a pizza e ver estrelas deitados na tenda (que era oficialmente uma tenda de Pitons!).

Adormeceu a apontar para o céu. Derreadíssimo.

2 comentários:

Carolina Carvalho disse...

deviam ter ficado mais dias...a costa alentejana vale a pena visitar com calma...

Gonças disse...

Sem dúvida. Já vivi nesta zona conheço a potencialidade! Depois da volta voltámos para VNMFontes e ficámos lá uma semana a curtir a costa alentejana!
;o)